Artigos

| Tempo de leitura: 3 minutos

Vale a pena aprender a negociar ações e viver disso?

Reading Time: 3 minutes

Estou desempregado e tenho a intenção de fazer um curso de negociação de ações. É possível viver disso?

Bruno Mori, CFP®, responde:

Prezado leitor, a negociação de ações é uma atividade bastante dinâmica. As ações negociadas em bolsas de valores são frações do capital social das empresas organizadas como Sociedades Anônimas. O titular das ações adquiridas em bolsa de valores passa a ser proprietário de uma parte da empresa. O que seria equivalente a ser sócio de uma empresa organizada como Sociedade Limitada.

As ações podem ser classificadas basicamente em ordinárias (ON) e preferenciais (PN). Isso é importante porque influencia a precificação de cada uma. Os detentores das ações ordinárias têm direito a voto nas assembleias de acionistas e, por causa disso podem ajudar a eleger os executivos que conduzem as operações da empresa. Já os detentores das ações preferenciais, em relação aos acionistas ordinários, têm prioridade na distribuição de dividendos e reembolso de capital. Há exceções, mas os acionistas preferenciais geralmente não têm direito a voto nas assembleias.

As teorias usadas para a precificação dos ativos explicam o retorno em função de um ou mais fatores de risco. São métodos de avaliação que utilizam as informações financeiras das empresas e são chamados de análise fundamentalista.

Um dos modelos mais conhecidos é a projeção de fluxos de caixa descontados. Neste modelo, é preciso projetar corretamente os fluxos de caixa de uma empresa e descontá-los a uma taxa de retorno exigida. Para o modelo funcionar, deve-se respeitar a hipótese de que o mercado está em equilíbrio. Dentre outras premissas, significa que os investidores são racionais, bem informados, tem expectativas homogêneas e todos podem emprestar e tomar emprestado quantias ilimitadas de capital a uma taxa que seja considerada livre de risco.

Outros modelos exploram variáveis macroeconômicas como a taxa de inflação, a taxa de juros, a taxa de desemprego, o crescimento econômico etc. É possível incluir variáveis específicas para determinar os retornos das ações de diferentes setores. É preciso ter um entendimento razoável de economia, finanças e contabilidade.

É comum encontrar propagandas de cursos de negociação de ações baseados em análise técnica. Esta análise avalia o comportamento do preço e do volume de negociação de uma ação ao longo do tempo. É uma análise baseada na existência de tendências, que concentra esforços em procurar padrões no comportamento dos preços que ocorreram no passado – e que podem ocorrer no futuro. É uma análise mais simples e rápida em relação à análise fundamentalista pois não requer os dados contábeis das empresas.

Pode-se dizer que a análise técnica tem por objetivo determinar as tendências das cotações no curto prazo a fim de auferir ganhos de capital, no entanto, importante ressaltar que essa análise, diferentemente da análise fundamentalista, não se apoia nos fundamentos macro e microeconômicos das empresas participantes do mercado.

De forma geral, a recomendação para quem está desempregado é evitar investimentos mais arriscados em função da incerteza de renda futura. Isso é ainda mais importante quando mais de uma pessoa depende da renda que hoje é incerta. Investir em conhecimento por meio de novos cursos é importante, especialmente se fizer parte da sua atividade profissional atual. Isso pode ajudar na volta ao mercado de trabalho.

É preciso avaliar a qualidade e o teor do curso de negociação de ações que você pretende fazer. Ainda assim, não há nenhuma garantia de que será possível gerar renda constante por meio da negociação de ações. É possível obter ganhos no mercado de ações e é possível viver algum tempo com esses ganhos, mas é possível também perder o seu patrimônio em muito pouco tempo.

O mais recomendado é buscar o aconselhamento de um profissional qualificado para ajudar na definição de uma política de investimentos com objetivos de risco e retorno adequadas. Essa ajuda pode fazer a diferença na busca por uma vida financeira próspera.

Bruno Mori é planejador financeiro pessoal, possui a Certificação CFP (Certified Financial Planner) concedida pela PLANEJAR – Associação Brasileira dos Planejadores Financeiros. E-mail: bmori@sarfin.com.br.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico ou da Planejar. O jornal e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Perguntas devem ser encaminhadas para: consultoriofinanceiro@planejar.org.br.

Texto publicado no jornal Valor Econômico em 06 de junho de 2019