Comissão de Advocacy lança Q&A sobre Instrução nº 592

Conforme já viemos falando nos últimos meses, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) publicou em 2017 a Instrução nº 592, que regula a atividade de consultor de valores mobiliários.

Nesse sentido, a Comissão de Advocacy realizou uma pesquisa sobre a Instrução nº 592 e recebeu mais de 80 contribuições e dúvidas dos associados da Planejar. Esse material foi trabalhado e transformado em um Q&A, com o entendimento do que a Associação percebe como importante para o exercício da atividade de consultor de valores mobiliários.

O Q&A está disponível no site da Planejar.

“O Q&A não é uma indicação da Associação, mas sim um entendimento dos caminhos que podem ser seguidos dentro da atividade de consultor de valores mobiliários. Reforçamos que ainda é possível enviar contribuições e dúvidas que, dentro da dinâmica da Comissão, serão respondidas. Alertamos que o Q&A serve como um guia e não substitui o órgão regulador”, afirma Jayme Carvalho, CFP®, diretor da Planejar e responsável pela Comissão de Advocacy.

 Próximos passos

Dando continuidade à melhoria da comunicação entre a Planejar, seus associados e o órgão regulador, a Comissão de Advocacy participará de um conjunto de eventos neste fim de ano, com o objetivo de esclarecer e dar voz às demandas dos profissionais CFP®.

No dia 29 de outubro, às 19 horas, acontecerá uma Comunidade Virtual com o título “O ambiente regulatório de investimentos e o planejador financeiro: ICVM 592 e outros temas”, com participação de Jayme Carvalho e Francisco Levy. Para se inscrever, clique aqui.

Já no Congresso Planejar 2018, haverá a presença de dois membros da CVM no painel com o tema de regulação.

Congresso FPA

A Comissão de Advocay esteve presente no Congresso da FPA (Financial Planning Association), realizado em Chicago entre os dias 3 e 5 de outubro. Jayme Carvalho, diretor da Planejar e responsável pela Comissão, reuniu-se com a equipe de advocacy da própria FPA e também do FPSB (Financial Planning Standards Board), entidade responsável pela divulgação, gerenciamento e controle do uso das marcas CFP® fora dos Estados Unidos.

As discussões foram muito ricas e mostraram bons caminhos que podem ser seguidos do ponto de vista de advocacy no Brasil.