Qual o potencial de rendimento de R$ 1 mi?

Tenho 45 anos, sou bancária e tenho um sonho: mudar de carreira. Não possuo dependentes, minha renda mensal é confortável para os meus gastos: R$ 10 mil, considerando salário mais o aluguel de dois imóveis que herdei dos meus pais. Além dos imóveis, tenho R$ 1 milhão em CDB, previdência e ações. O salário na nova carreira seria de R$ 3 mil (metade do que ganho hoje). Estou insegura com a mudança. Será que conseguirei manter a minha renda atual?

Fernando Meibak, CFP:

Prezada leitora, você tem uma situação relativamente confortável, com dois imóveis alugados, sem dependentes, renda de R$ 10 mil e uma reserva financeira de R$ 1 milhão. Pelo que comenta, a renda de aluguel é de R$ 4 mil, já que a mudança de carreira fará você cair para a metade do salário atual, que depreendo ser de R$ 6 mil. Não está claro se você mora em um imóvel próprio. Deduzo que sim.

Você afirma que a renda atual é confortável para os seus gastos. Não cita a importante informação de qual seria o valor dos seus gastos mensais. Vou assumir que gasta os R$ 10 mil. A conta que preciso fazer, assim, será calcular o potencial de rendimento de sua reserva financeira, se ela poderá compensar a queda de R$ 3 mil de seu salário.

Estamos em um ambiente de queda de juros nominais e reais. Creio que este processo pode ser irreversível. Em razão de problemas de atividade econômica, há uma pressão de juros baixos no mundo, que ficará assim ainda por um bom tempo. Os juros no Brasil ainda são muito elevados. É mais provável que no médio e longo prazos convirjam para patamares menores.

A taxa básica de juros de 7,25% ao ano poderá permanecer estável durante um bom período de tempo. Trabalhando com a hipótese de se obter rendimento de 7,25% ao ano (que é um cálculo otimista, pois seus investimentos incorrem em custos de administração e outros e, no futuro, poderemos ter taxas mais baixas) e considerando um Imposto de Renda (IR) de 15%, significa que a sua reserva de R$ 1 milhão produz um rendimento anual de R$ 63.750,00. Numa conta simples, significa um rendimento mensal de R$ 5.312,50. Assim, somado ao aluguel de R$ 4 mil e ao salário de R$ 3 mil, você tem uma renda acima de R$ 10 mil (precisamente R$ 12.312,50).

O ponto importante que precisa ser destacado é que, se você retirar R$ 3 mil dos seus rendimentos financeiros (para completar os R$ 10 mil citados), estará consumindo parte do principal acumulado, pois a inflação está em um patamar alto (perto de 5,8% ao ano). O ideal seria que você “consumisse” apenas a parcela de juros reais, o que exceder a inflação, para preservar o poder de compra de suas reservas acumuladas. Se trabalharmos com um cenário de juros reais de 2% ao ano (que é até um pouco otimista), representaria um valor mensal de R$ 1.666,67 na data inicial. Voltando à conta: com R$ 4 mil de aluguel e R$ 3 mil de salário, você teria que baixar seus gastos mensais para R$ 8.666,67. O mais realista é que você tenha um custo próximo de 1% a 2% ao ano em seus investimentos. Assim, seu rendimento real pode ser próximo de zero (ou até negativo).

É importante estar atento a este cenário de juros mais baixos, que veio para ficar. Aos 45 anos você ainda tem muitos anos de vida pela frente. É recomendável que ajuste suas despesas ao novo padrão de renda mensal, não consumindo parte das reservas acumuladas.

Fernando Meibak é Planejador Financeiro Pessoal e possui a Certificação CFP (Certified Financial Planner) concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: [email protected]

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico ou da Planejar. O jornal e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Perguntas devem ser encaminhadas para: [email protected]