Artigos

| Tempo de leitura: 2 minutos

Ganhos e perdas com a queda da Selic

Reading Time: 2 minutes

Marcia Dessen, CFP®:

O mercado de renda fixa é composto por diversos tipos de ativos cujos preços reagem de forma distinta diante da queda da taxa Selic.

Muitos devem estar pensando que as aplicações em renda fixa serão punidas nesse cenário. Nem todas. Algumas reduzem a rentabilidade que oferecem ao investidor e outras podem oferecer ganhos.

Vamos entender por quê.

Existem três tipos de taxas de juros que remuneram as aplicações em renda fixa: pós-fixada, prefixada e índices de inflação.

Pós-fixada

As aplicações atreladas à Selic, como poupança (70% da Selic) e Letra Financeira do Tesouro, assim como as atreladas ao CDI, como CDB, LCI, LCA, CRI, CRA, fundos DI e planos de previdência com essa referência, passaram a render menos considerando que o parâmetro de referência foi reduzido. Importante notar que não há perda, mas redução da rentabilidade.

Prefixada

Os ativos de taxa prefixada, como os títulos públicos Letra do Tesouro Nacional e Nota do Tesouro Nacional série F, bem como títulos privados com essa característica, são impactados positivamente, se valorizam ante a redução da taxa de juros de longo prazo, que carrega expectativa da evolução dos juros ao longo do tempo

É importante notar que o parâmetro que valoriza ou desvaloriza esses ativos é a taxa de longo prazo, e não a Selic ou o CDI, que, embora anualizadas, se referem a transações de um único dia. Necessário verificar que impacto a queda da Selic provocou nas taxas de longo prazo.

Os fundos de renda fixa e os planos de previdência de gestão ativa reúnem, em maior ou menor participação, ativos de taxa prefixada, conforme a política de investimento das carteiras. Fundos multimercado também investem nesse tipo de ativo.

Inflação 

Os títulos atrelados a índices de inflação são corrigidos pelo IPCA acrescidos de uma taxa prefixada de juros. É o caso da Nota do Tesouro Nacional série B e de algumas debêntures.

O impacto no valor desses ativos é semelhante ao dos ativos de taxa prefixada. E, como são ativos de longo prazo, 10, 20 anos, o impacto positivo se amplia perante a queda na taxa de juros de longo prazo.

Quanto mais longo o vencimento dos ativos, maior o impacto, positivo ou negativo.

Os fundos de renda fixa e multimercado e os planos de previdência tendem a oferecer rentabilidade competitiva no próximo período, superior à Selic ou ao DI, beneficiados pelo recente movimento na Selic.

Diversificação

Para explorar as oportunidades, é recomendável diversificar. Manter boa parte dos recursos em taxa pós-fixada, de baixíssimo risco. Não será a melhor rentabilidade nos próximos meses, mas será sempre positiva.

Aplicações em outros ativos, que ganham quando a taxa cai e perdem quando a taxa sobe, não são “fixas”, como o nome sugere, são mais voláteis e fazem sentido para investidores com horizonte de tempo mais longo, com tolerância a oscilação de preços, alocando maior ou menor quantidade da carteira nessas posições em razão do perfil de risco e dos objetivos de investimento.

Por que alguns fundos ganham e outros perdem, diante do mesmo fato? Depende de estarem ou não posicionados em ativos de taxa prefixada, de qual percentual da carteira está alocado em qual referência e do vencimento desses títulos. Esses ativos ganham valor quando a taxa de juros cai e perdem quando a taxa de sobe.

Investimentos em renda fixa são bem mais complexos do que o singelo nome sugere.

Artigo publicado originalmente na Folha de S.Paulo em 10/02/2020.