Artigos

| Tempo de leitura: 3 minutos

O que considerar na hora de renovar contrato de aluguel

Reading Time: 3 minutes

“Moro de aluguel e estou na fase de renovação do contrato. O que devo levar em consideração antes de renová-lo ou optar por mudar de imóvel?”

Paula Sauer, CFP®, responde:

Algumas mudanças são especialmente delicadas… Mudar de casa é uma delas.

Você quer se mudar ou você precisa se mudar? Qualquer resposta aqui é válida, a ideia é fazer pensar com mais cuidado nas questões que vai ter que lidar.

Os meses de julho e dezembro, principalmente em função das férias escolares, são no Brasil os meses mais intensos de renovação de contratos de aluguel. Para famílias com crianças em idade escolar, se planejar para que a mudança ocorra nas férias parece missão impossível, mas é um detalhe fundamental, principalmente se a criança tiver que mudar de escola também.

Inúmeras questões podem levar à mudança de casa: alteração no tamanho da família, variação na renda, estado civil, distância do trabalho, despesas, trânsito, segurança, filhos em idade escolar, lazer, entre outros. Identifique qual motivo está fazendo pensar na possibilidade de mudar. Uma vez identificado, ponha na ponta do lápis o que se altera na sua e na vida da sua família com essa mudança.

Bem, se a ideia for renovar o contrato, negocie! O  IGP-M (índice de inflação que regula a maioria dos contratos de aluguel) deu uma trégua e os contratos de aluguel de 30 meses que venceram ou vencem agora estão deflacionados.

Além disso, o boom imobiliário de 2008 a 2012, aumentou na maioria das praças a oferta de imóveis para alugar e, junto com ela, a taxa de vacância. Logo, imóvel vazio corre o risco de ficar vazio por mais tempo…

Sabendo disso, alguns proprietários estão abrindo mão do valor recebido e dando descontos tanto no valor do novo aluguel quanto na renovação para não ficar com o imóvel vazio.

Para o proprietário, ficar sem inquilino significa, além de deixar de receber a renda, ter que arcar com as taxas, impostos e manutenção do imóvel.

Caso você se decida pela mudança, seguem abaixo alguns questionamentos de quem acabou de se mudar.

1) As despesas fixas aumentam ou diminuem? Leve em consideração não só o valor do aluguel, mas também o valor do condomínio caso haja, IPTU, custo de vida na região, despesa com transporte para o trabalho, escola, as despesas com as atividades cotidianas, enfim;

2) Distâncias, trânsito e tempo gasto para as atividades triviais aumentam ou diminuem? Se aumentam, não desconsidere esse desconforto;

3) Se mudar de apartamento para casa, considere que, além de não ter que compartilhar o seu espaço, você também não terá com quem compartilhar o custo na conservação e manutenção diária do imóvel;

4) Se a mudança for de casa para apartamento, confira se seus móveis cabem ou você terá de comprar novos? Seu fogão terá que ser adaptado para gás de rua? Eles têm ajustes diferentes;

5) Já há telas de proteção nas janelas? Para as famílias com crianças ou pets, as telas são bastante importantes para evitar acidentes;

6) Há chuveiro ou ducha? Você terá que comprar novos? O que mudará na sua conta de luz ou de gás?

7) Como será o transporte de móveis? É preciso pesquisar, pedir referências. A variação de preços e serviços oferecidos é enorme. Importante: solicite um orçamento no local, para evitar surpresas no dia da mudança. Entenda o que está incluso no serviço que você está contratando;

8) Leia com atenção o contrato de aluguel, nele você identificará prazos para aviso ao proprietário, multas, garantias, e como o imóvel deve ser entregue. Se você fez alterações, converse com a imobiliária, pois essas alterações podem impactar o custo da mudança;

9) Compare o quanto custa se manter onde você mora atualmente com as despesas de curto e médio prazo do novo imóvel.

Lembre-se: a questão financeira tem um peso bastante relevante, mas não é o único que deve ser avaliado. Vai ser a sua casa, a casa da sua família, vocês se sentirem bem é fundamental.

Colocou tudo na ponta do lápis? Pesou todas as suas escolhas? Tome sua decisão e siga em frente, não olhe para trás.

Até a próxima!

Paula Sauer é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: paula.sauer@economiadevalor.com.br.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico ou da Planejar. O jornal e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Perguntas devem ser encaminhadas para: consultoriofinanceiro@planejar.org.br.