Como escolher ações que dão dividendos?

“Como escolher ações que dão dividendos? Sei que nem sempre quem paga mais dividendos é a melhor ação para se comprar.”

Flavia Montoro, CFP®, responde:

Caro leitor, é um prazer responder sua pergunta. Primeiro, é importante explicar que dividendo é o pagamento de uma pequena parcela do lucro da empresa para os acionistas. Então, ao considerar um investimento numa ação que paga dividendos, devemos analisar não somente a capacidade da empresa em sustentar o lucro, mas também manter ou aumentar o pagamento de dividendos no futuro. No Brasil o dividendo é obrigatório, mas isso não é o caso de outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, o dividendo é opcional.

Por isso é essencial avaliar a política de dividendos da empresa. Geralmente, uma empresa que está crescendo não deveria pagar dividendos porque ela precisa investir para crescer (ou no caso do Brasil, a empresa deveria pagar somente o mínimo exigido pela lei das S/A). E, uma empresa aumenta a distribuição de dividendos quando não encontra bons investimentos. Pagamentos regulares podem indicar uma boa gestão. Afinal, a companhia só vai investir no próprio negócio se o retorno for maior que um investidor conseguiria fora.

Existem três teorias gerais sobre a preferência dos investidores por dividendos. A primeira, Miller e Modigliani, argumenta que a política de dividendos é irrelevante na valoração das ações, porque é uma decisão orçamentária. A segunda teoria, do “pássaro na mão”, afirma que os investidores preferem dividendo agora do que ganhos de capital incertos. A terceira diz que, quando os dividendos são tributados, os investidores tributáveis preferem que as empresas reinvistam os lucros ou recomprem ações, para receberem mais retorno em ganhos de capital.

No Brasil, nenhum imposto é retido ou devido sobre a distribuição de dividendos a residentes brasileiros. Assim, as três teorias sugerem que os investidores deveriam favorecer ações com pagamento de dividendos no Brasil.

Entretanto, no Brasil as empresas também podem distribuir lucro sob a forma de Juros sobre Capital Próprio (JCP), mas esses são tributados com uma taxa de 15% para o investidor.

Alguns indicadores que indicam se a política de dividendo é sustentável são: Dividend Yield, Payout Ratio, e Índice de Alavancagem Financeira.

Dividend Yield é o dividendo anual pago medido como uma porcentagem do preço das ações. Por exemplo, uma empresa paga R$ 5,0 em dividendos e o preço da ação é de R$ 100, tem dividend yield de 5%.  Este percentual pode ser comparado com o retorno obtido na renda fixa, e quanto maior o índice, melhor o retorno.

Payout ratio é o dividendo sobre o lucro líquido, e mostra qual a porcentagem de lucro é distribuída. Uma empresa com lucro líquido de R$10 e dividendo de R$ 5,0 tem payout de 50%. Em termos gerais, quanto menor esse múltiplo, mais sustentável é a política de dividendos.

O Índice de Alavancagem Financeira, que é calculado dividindo o passivo total pelo patrimônio líquido, ajuda a analisar a capacidade da empresa em honrar a dívida, entre outros índices como Dívida Líquida/ Ebitda e índice de Cobertura de Juros. Um índice alto, ou que vem aumentando, pode indicar um futuro corte no dividendo para liberar fluxo de caixa para pagar obrigações de dívida.

Para fazer uma boa escolha, considere o negócio e a indústria. Busque empresas com lucros crescentes, fluxo de caixa forte, baixo índice de endividamento e líderes no setor. Análise quais ações oferecem uma política de dividendos sustentável e com perspectiva de aumentar os dividendos a médio e longo prazo.

Lembre-se que a data de registro é a data que as empresas usam para determinar quem são seus acionistas (e dessa forma irão receber dividendos).  Por isso, quando for comprar uma ação veja se negocia ex-dividendo, ou a data a partir da qual o investidor que comprar a ação não terá direito de receber o dividendo anunciado. Quando uma ação passa a ser negociada ex-dividendos, ocorre um ajuste para baixo no preço da ação exatamente no valor do dividendo a ser pago.

E por fim, assumo que se está perguntando de ações é porque você já tem uma reserva de emergência com ativos de alta liquidez e baixo risco, e que sabe que renda variável é para quem tem um horizonte de longo prazo.

 Flavia Montoro é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: [email protected]

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico ou da Planejar. O jornal e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Perguntas devem ser encaminhadas para: [email protected]

Texto publicado no jornal Valor Econômico em 20 de julho de 2020.